A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA-PR) e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (COSEMS-PR) estão trabalhando juntos para qualificar a análise de informações em saúde no estado.
Técnicos de vigilância epidemiológica em saúde dos municípios paranaenses, das regionais de saúde e do estado têm recebido capacitações desde a semana passada nos cursos de “Análise de situação de saúde”, “R básico”, “R avançado” e “QGIS”.
O projeto conta com a estrutura da Escola de Saúde Pública do Paraná (ESPPR), que, juntamente com a OPAS e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), certificará os participantes em sua formação.
O curso de modalidade a distância “Análise de situação de saúde” tem duração de 24 horas e foi desenvolvido pela OPAS e CONASEMS para aperfeiçoar as capacidades de profissionais dos municípios brasileiros. Tem por objetivo propiciar noções básicas de vigilância em saúde e sua integração com a atenção primária, análise e monitoramento dos dados, análise de informações a partir dos Sistemas de Informação em Saúde (SIS), construção de indicadores e boletins epidemiológicos.
O reforço da vigilância e monitoramento é importante para o correto direcionamento das ações de saúde. Assim, a proposta deste curso se baseia em um equilíbrio entre o conteúdo teórico e prático, levando-se em consideração os sistemas de informações e situações vivenciadas na rotina pelos profissionais participantes.
Já os softwares “R”, gratuitos e de código aberto, podem ser utilizados para análise de dados de saúde. No curso “R básico”, os técnicos aprendem não apenas a lógica de utilização, mas também fundamentos da epidemiologia descritiva, bem como uma análise da COVID-19 que leve em consideração os fatores tempo, lugar e pessoa. No “R avançado”, são aprofundadas as análises de séries temporais. Assim, o aluno aprende a analisar o comportamento da COVID-19 no tempo e a construir uma curva epidemiológica.
No treinamento para uso do software QGIS, programa para a construção de mapas, busca-se aprofundar questões do espalhamento da COVID-19 nos territórios e a estratificação de riscos, possibilitando a identificação de vulnerabilidades e a tomada de decisão mais localizada e específica.
*Com informações e imagens de https://www.paho.org/pt
Categorias: NOTÍCIAS